Quatro velhos, de Luiz Biajoni

Possivelmente uma das nossas maiores falhas é não valorizar os bons momentos comuns do nosso dia a dia. Muitas vezes só valorizamos os dias atípicos em que fazemos algo bom que foge da rotina. Mas há beleza nas ações rotineiras, nós é que precisamos mudar o nosso olhar.

Essa leitura me marcou por vários motivos, mas principalmente por me fazer olhar com mais cuidado para os pequenos prazeres do cotidiano. Somos instantes. Então, que saibamos apreciar todos eles.

Mas, nesses mais de quarenta anos, a impressão que ele tinha é a de que fizeram pouco, muito pouco, juntos. Muitas vezes ele chegava tarde em casa e ela já estava dormindo. Ou ela estava passando mal de cólicas menstruais. Ou ele passava o final de semana analisando gráficos da empresa. Não sabia precisar, mas parecia, a ele, que tinham passado pouco tempo juntos, tinham desfrutado pouco em conjunto. (Página 57)

No prólogo do livro o autor — Luiz Biajoni — nos conta que desenvolveu esse romance a partir de um boato que ouviu no final dos anos 1980, que dizia que um morador de uma cidade pequena do interior paulista seria filho bastardo do ditador italiano Benito Mussolini. Por querer saber mais sobre esse boato, acabou conhecendo a história de outros três personagens e é essa a história que ele nos conta. Porém, esse boato é apenas um detalhe da história, o foco está nas relações entre esses personagens.

Uma receita para a liberdade, de Maurício Rosa

Quando conheci o livro do Maurício Rosa foi a premissa que logo chamou a minha atenção, pois se trata de uma história que envolve suspense, crime, drama e gastronomia. Não sei vocês, mas eu nunca tinha lido nada que trouxesse a junção desses elementos e já adianto que foi uma mistura improvável (e inusitada) que deu certo.

O livro começa com uma carta de uma mãe para um filho escrita em 1990 e, através dessa carta, sabemos que eles estão separados há dois anos e que o filho está em um orfanato sob os cuidados de uma agente social, mas, a princípio, nós não sabemos o motivo da separação.

A mãe que escreveu a carta é a Anabela e, à medida que avançamos na história, sabemos que ela está em uma clínica de reabilitação porque cometeu um crime. E durante algum tempo da leitura ficamos nos questionando: qual foi o crime que ela cometeu? E porque ela está em uma clínica e não em uma prisão? Depois de alguns capítulos encontramos as respostas para essas perguntas.

Anabela, antes da internação, era uma chefe de cozinha de muito prestígio. E após algum tempo nessa clínica, ela recebe uma proposta da diretora do lugar. A diretora — além de corrupta — é também dona de um restaurante e quer ganhar um concurso gastronômico muito importante. Se Anabela ajudá-la a vencer o concurso terá sua pena reduzida.

Olhai os Lírios do Campo, de Érico Veríssimo

Olhai os Lírios do Campo foi escrito pelo incrível Érico Veríssimo no ano de 1938. O título nada mais é do que um fragmento do Sermão da Montanha que está presente nos evangelhos de Lucas e Mateus. A história do livro se passa na época em que ele foi escrito e por isso ele se torna um retrato histórico. 1938 foi o ano em que Getúlio Vargas ocupa o poder e ao caminhar os olhos pelas linhas deste livro encontramos algumas passagens referentes à este governo. Foi através deste livro que o Veríssimo ganhou nome, pois na época em que foi publicado as vendas explodiram e o livro fez imenso sucesso. E o engraçado é que mesmo o autor não achando a sua obra lá grandes coisas, ele se tornou o preferido para muitas pessoas, inclusive para mim. Olhai os Lírios do Campo é meu livro favorito desde muito tempo e por isso eu resolvi fazer a releitura e falar um pouco da minha experiência com este livro aqui no blog. 

A história que encontramos aqui não é linear. Ela se passa em dois tempos. Acompanhamos a vida atual do protagonista e paralela à ela tudo o que ele passou da infância até a vida adulta, uma estratégia interessante do escritor para permitir que o leitor entenda melhor a vida e as atitudes do personagem principal, Eugênio. A história do livro se inicia com o Eugênio recebendo a ligação de uma enfermeira, dizendo que uma pessoa muito especial pra ele está entre a vida e a morte. Ele chama o motorista às pressas e dá uma desculpa formal à esposa, que friamente finge acreditar na desculpa. É entregue ao leitor a informação que da casa de Eugênio até o hospital gasta-se três horas de carro. E é neste tempo que podemos acompanhar todos os pensamentos de Eugênio, flashbaks de toda a sua vida desde a infância.

Deus ajude essa criança, de Toni Morrison

Deus ajude essa criança foi o livro que selecionei para ler em fevereiro na minha meta dos 12 livros para 2019. Fiz uma lista temática escolhendo, para cada mês, um autor ou autora aniversariante. A autora do mês, Toni Morrison, completou 88 anos no dia 18 de fevereiro.

Toni Morrison é escritora, editora e professora estadunidense. Publicou o seu primeiro romance em 1970, aos 39 anos. E, 23 anos após seu primeiro romance ter sido publicado, recebeu o prêmio Nobel de Literatura. Sendo, em 1993, a primeira mulher negra a receber esse prêmio.

Deus ajude essa criança (God Help the Child no original) foi publicado em 2015 (chegou ao Brasil em 2018 pela Companhia das Letras) e é o décimo primeiro romance da autora. Toni Morrison é negra e o racismo é tema frequente na maioria das suas obras. Nesse livro, além do racismo a autora aborda também o colorismo.

A questão do colorismo já havia sido abordada pela autora em seu primeiro romance, O olho mais azul (livro que ficou esgotado no Brasil por algum tempo, mas recentemente ganhou nova edição pela TAG Curadoria). Explicando de maneira simplificada, colorismo significa que quanto mais pigmentada for a pele de uma pessoa, mais excluída e discriminada ela será. Isso significa que a tonalidade da pele de uma pessoa negra poderá diferenciar a forma que ela é tratada, sendo ‘melhor aceitos’ os tons mais claros.

Os ovos azuis da serpente, de Roberto Marcos

Os ovos azuis da serpente, livro publicado em 2017 de forma independente pelo autor mineiro Roberto Marcos, traz a história de quatro personagens um tanto peculiares e, ao nos apresentar a vida de cada um deles, o autor consegue levantar questionamentos necessários e muitas vezes incômodos.

Conhecemos Bella Flor (A Caçadora de Prazeres), por trabalhar como prostituta é uma mulher que recebe olhares incriminadores  e comentários hostis por parte de muitos — talvez até do próprio leitor. Ela possui alguns critérios para selecionar os seus clientes e não cobra pelos programas que faz. Aos poucos vamos conhecendo melhor a sua história e as suas motivações. Benjamin (O fazedor de dinheiro), personagem pragmático, sistemático que ganha a vida emprestando dinheiro a jurus altíssimos. Bizet (A aprendiz de bruxarias) herdou bastante conhecimento esotérico da sua avó — sobre magia e plantas medicinais. Por essa razão ela é tida por bruxa, assim como algumas de suas ancestrais. Bento (O quase morto quase vivo) que vive — praticamente — num estado vegetativo. Mas não porque tem alguma doença e sim porque vive na inércia, em momentos de contemplação.

Esses quatro personagens — juntamente com o porteiro 'faz tudo' — são os únicos moradores de um mesmo edifício — o edifício Parque dos Pardais. Por morarem no mesmo prédio imaginamos, a princípio, que se eles não são amigos são, pelo menos, conhecidos. Mas não. Eles sequer se veem, não têm um mínimo de convivência. E, essa privacidade é possível porque em cada andar do prédio, tem apenas um apartamento.

Como não poderia deixar de ser, existe muito boato na vizinhança acerca da vida dessas pessoas, muito se especula sobre as vidas tão reclusas que levam. O próprio porteiro do prédio — Antonio Taiobeiras — sempre que tem uma oportunidade aproveita para bisbilhotar a vida dos demais moradores do prédio.

Então, esses personagens que, em um primeiro momento, parecem tão diferentes entre si, têm algo em comum: o isolamento, a solidão. Mas não só, vamos descobrindo, aos poucos, o que os conecta. Acontecimentos traumáticos, assassinatos, vidas de aparências onde tentavam transmitir algo que não eram. À medida que avançamos na leitura somos surpreendidos mais e mais com os fatos que surgem; muito mistério envolve a vida de todos eles.

Édipo Rei, de Sófocles

Édipo Rei é uma peça de teatro grega — uma tragédia grega — escrita por Sófocles por volta de 427 a.C.. E é considerada por muitos, inclusive por Aristóteles, como o mais perfeito exemplo de tragédia grega. 

Sófocles foi muito prestigiado pelas peças que escreveu recebendo, ainda em vida, vários prêmios por suas publicações. E ele produziu bastante, é estimado que tenha escrito cerca de 120 peças, mas infelizmente muitas delas se perderam; dessas 120 apenas 7 restaram inteiras. Uma das peças que ficaram inteiras é Édipo Rei que faz parte da Trilogia Tebana. Essa trilogia é composta pelas peças: Édipo Rei, Édipo em Colono e Antígona.

Ao lado de Romeu e Julieta e Hamlet, de Shakespeare. Édipo Rei é a peça de teatro mais conhecida da literatura ocidental. E é uma obra interessante de ser lida, claro, pela sua importância para a literatura, mas é uma leitura de fato interessante. Talvez o fato de ter sido publicada em 427 a.C afaste algumas pessoas dessa leitura, por achar que vai ser difícil, enfadonho e com um vocabulário incompreensível. Mas não é. É uma leitura que prende, instiga e flui muito bem. No vídeo abaixo comento com vocês as minhas impressões sobre essa leitura.

Caninos Brancos, de Jack London

Caninos Brancos foi minha leitura de janeiro da meta dos 12 livros para 2019. Fiz uma lista temática selecionando para cada mês um autor aniversariante. Jack London nasceu no dia 12 de janeiro de 1876 e morreu jovem, aos 40 anos. Mas mesmo com uma vida relativamente curta ele produziu bastante, tendo escrito mais de 50 livros; entre romances e contos.

London teve uma vida movimentada, cheia de desafios e aventuras. E, assim como tantos autores, ele escreveu sobre as realidades que viveu, sendo uma das mais conhecidas a realidade da corrida do ouro no Alasca, na qual se insere Caninos Brancos.

Em 1903, Jack London publicou o seu segundo romance: O Chamado Selvagem, nele o autor traz a história de um cão doméstico que precisa se adaptar à vida na floresta e se transforma em um lobo selvagem. Em 1906 publicou Caninos Brancos e, nesse livro, o autor faz o caminho inverso, pois traz a história de um lobo que acaba sendo domesticado pela civilização. 

O autor se utiliza da história de vida de um lobo como uma analogia ao próprio ser humano. A princípio tive receio de que fosse uma leitura entediante e inverossímil, mas não é. É uma leitura interessante e envolvente; uma ideia inusitada que o autor consegue executar de forma admirável.